Total de visualizações de página

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Continuação do estudo do livro Temperamentos Transformados.



Uma pergunta pode ser feita: “Como faço para saber em qual desses temperamentos me encaixo?”. Primeiro: o ser humano em geral não apresenta apenas um tipo de temperamento. É comum a presença de todos eles, mas um ou dois se acentuam. Segundo: Uma tabela é apresentada para se analisar rapidamente as qualidades e os defeitos de cada temperamento, mesmo que o leitor não domine o assunto. Uma observação deve ser feita, não é recomendável o uso indiscriminado desses conceitos, serve apenas como base, e não como uma verdade absoluta.
TIPOS DE TEMPERAMENTOS

QUALIDADES
DEFEITOS
EXEMPLOS
SANGUÍNEO
Comunicativo, destacado, entusiasta, afável, simpático, bom companheiro, compreensivo, crédulo.
Pusilânime, volúvel, indisciplinado, impulsivo, inseguro, egocêntrico, barulhento, exagerado, medroso.
Atores, Vendedores, Oradores.
COLÉRICO
Enérgico, resoluto, independente, otimista, prático, eficiente, decidido, líder, audacioso.
Iracundo, sarcástico, impaciente, prepotente, intolerante, vaidoso, autossuficiente, insensível, astucioso.
Produtores, Construtores, Líderes.
MELANCÓLICO
Habilidoso, minucioso, sensível, cicionista, esteta, idealista, leal, dedicado.
Egoísta, amuado, pessimista, teórico, confuso, antissocial, crítico, vingativo, inflexível.
Artistas, Músicos, inventores, filósofos, mestres.
FLEUMÁTICO
Calmo, tranquilo, cumpridor, eficiente, conservador, prático, líder, diplomata, bem-humorado.
Calculista, temeroso, indeciso, contemplativo, desconfiado, pretencioso, introvertido, desmotivado.
Diplomatas, Administradores, Professores, Técnicos.

Mediante a análise desses conceitos chega-se a conclusão de que o ser humano nasce com algumas características inatas herdadas biologicamente. Mas há outra série de fatores que influenciam no temperamento de uma pessoa tais como: espiritual, o ambiente em que vive, a idade, condição física, a existência de um trauma.
A Bíblia Sagrada faz uma descrição minuciosa desses temperamentos-tipo, ainda que não use os termos sanguíneo, colérico, melancólico, fleumático. Quatro personagens bíblicos serão analisados, cada um com um tipo de temperamento abordado na introdução deste estudo, mas que após a atuação do Espírito Santo tiveram seus temperamentos transformados. O primeiro nessa série de análises será o Sanguíneo Pedro. A sua inconstância narradas nos evangelhos deixam seus defeitos visíveis a todos os leitores da Bíblia Sagrada.
As características positivas e negativas marcantes dos Sanguíneos segundo LaHaye são as seguintes: “é caloroso, amável e simpático. Atrai as pessoas como se fosse uma imã. Ele tem boa prosa, é otimista e despreocupado, é generoso, compassivo, adapta-se ao meio- ambiente e ajusta-se aos sentimentos alheios. Porém como os outros temperamentos, o sanguíneo tem seus defeitos. Em geral é possuidor de pouca força de vontade; emocionalmente é instável e explosivo, irrequieto e egoísta. Em sua mocidade chega a ser considerado o que vai ser mais bem-sucedido, raramente, entretanto, alcança aquilo que dele se espera. Tem grande dificuldade em seguir detalhadamente as instruções, e quase nunca fica quieto. No fundo dessa capa de ousadia, ele é, frequentemente, inseguro e temeroso. Os sanguíneos são bons vendedores, oradores, atores, e, não raro, torna-se líderes.” (La Haye, 1978, p. 25).
Hipócrates concluiu que o sanguíneo fosse causado pelo sangue quente. Alexander White disse que “a pior doença do coração humano é a frieza”, e isto Pedro não tinha. Ele agia no calor do coração, das emoções e é justamente aí onde residem todas as falhas desse temperamento. A impulsividade de Pedro era o traço mais evidente em sua personalidade. Nos evangelhos vemos o apóstolo agindo de imediato. Quando Jesus o chamou para segui-lo imediatamente deixou as redes e foi (Mt 4:20). Outro relato bíblico quando Jesus aparece sobre o mar. Somente um sanguíneo impulsivo poderia agir de tal maneira. Saiu do barco e começou a caminhar sobre as águas. Quando a tempestade se acentuou logo ele teve medo e começou a afundar e isso fez com que pedisse ajuda ao Cristo (Mt 14:28-31). Aqui é outra passagem onde ficam evidentes os extremos desse temperamento sanguíneo. Aparentemente parece ser uma pessoa de fé, coragem e valentia, mas quando começa analisar após a impulsividade tende a temer as consequências de suas atitudes e logo desiste. Segundo La Haye “essa tendência comum só mudará quando o Espírito Santo transformar sua vida”. Tornar-se-á pacífico e terá domínio próprio. Esperará no Senhor em vez de correr aloucadamente em todas as direções. Em lugar de tremer, ele manterá os seus olhos fixos em Cristo.
Outra característica do sanguíneo é que quando não sabe o que fazer ele fala. Quando Jesus levou Pedro, Tiago e João para o monte da transfiguração, eles puderam contemplar a glória divina e a aparição de Moisés e Elias. Quando menos se espera, Pedro abre a boca dizendo: “bom é estarmos aqui, se queres, farei aqui três tendas; uma será tua, outra para Moisés, outra para Elias” (Mt 17:1-13). Geralmente o sanguíneo tem boas intenções, mas isso não muda o fato de que suas ideias impulsivas e impensadas são frequentemente mal dirigidas. Outro fato marcante na vida de Pedro se deu no Jardim do Getsêmani. Uma multidão armada veio para prender Jesus e Pedro saca sua espada e fere a orelha de Malco, servo do sumo sacerdote (Jo 18:10). Em seguida Jesus repreende-o dizendo que se ele rogasse ao Pai, Ele mandaria mais de doze legiões de anjos? (Mt 26:53). Esta falta de reflexão faz com que muitos sanguíneos percam ricas bênçãos. Tendem a pular de uma coisa para outra; têm pouca capacidade de concentração.
Outro traço evidente é o fato de Pedro ser uma pessoa desinibida. Como diz o autor do livro: “esta emoção desinibida é típica do sanguíneo. Muitas pessoas julgam que o Sr. Sanguíneo é hipócrita ou um tanto falso por suas atitudes precipitadas em público. Isso não é verdade. Ele é uma pessoa muito desinibida que simplesmente tende a fazer com impulsividade aquilo que lhe vem à cabeça. Provavelmente isso o preocupe mais tarde, mas naquele momento ele exibe o seu íntimo com toda sinceridade”. Ser desinibido é uma qualidade, mas para um sanguíneo sem a transformação do Espírito Santo é prejudicar a sua capacidade de autopreservação. “Os sanguíneos têm enorme capacidade de responder com entusiasmo às motivações do coração; por isso os seus corações os compelem a andar nos caminhos de Deus, quando permitem que Deus lhes fale com regularidade através de sua Palavra. Porém, devido ao fato de a mente, bem como as experiências, levar o coração a sentir, é muito importante que o sanguíneo confira seus pensamentos, avaliando-os”. (La Haye, 1978, p. 31).
Outra tendência da pessoa sanguínea é o egoísmo. No evangelho de Mateus capítulo dezesseis observa-se essa característica de Pedro. Muitas pessoas seguiam a Jesus por causa do alimento físico, sem ao menos se interessar em saber quem era o Cristo. Em um dado momento Jesus vira para os seus discípulos e pergunta sobre o quê eles ouviam as pessoas dizerem ao seu respeito. Respondem afirmando: uns dizem ser João Batista, outros Elias; e outros Jeremias ou um dos profetas. Mais adiante Pedro recebe uma clara revelação e diz que ele é o Cristo o filho do Deus vivo. Então Jesus explica qual era sua missão, que precisava ir à Jerusalém padecer, morrer e ao terceiro dia ressuscitar. Aí que surge o egoísta Pedro repreendendo o Senhor Jesus Cristo: “E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso. Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens”. (Mt 16: 22-23). Por um lado recebe uma grande revelação, mas por outro, sua natureza sanguínea revela seu egoísmo porque era necessário Jesus morrer na cruz do calvário para remir o ser humano do seu pecado. E isso Pedro não queria que acontecesse.
Há muitos outros defeitos encontrados em Pedro, mas o objeto desse estudo é a mudança que o Espírito Santo pode fazer na vida desses personagens bíblicos, bem como na vida dos leitores. Para não se tornar um assunto longo, há características que denegriam o caráter de Pedro. O futuro apóstolo era uma pessoa interesseira, pois já no primeiro século ele já buscava por posição, e Jesus retruca dizendo que os últimos serão os primeiros e os primeiros os últimos. Mt 19:23-30.
O sanguíneo também é uma pessoa de vontade fraca e também inconstante. Quando colocados sob pressão tendem a mentir a ter de enfrentar situações embaraçosas ou de sofrer penalidades. Por isso Pedro foi o discípulo que negou a Jesus três vezes seguida Mt 26:69-75. A única esperança para o sanguíneo é uma vida de dependência do Espírito Santo.
Quando uma pessoa recebe Jesus Cristo em sua vida, torna-se uma nova criatura. Assim, passa a ter duas naturezas: a velha e a nova. Os dois nomes de Pedro são típicos das duas naturezas de cada crente. Simão representa a velha natureza sanguínea, enquanto Pedro representa a nova natureza como de uma rocha, o homem estável e constante que o Espírito de Deus moldou do templo sanguíneo de barro. Porem esta transformação não é imediata; requer crescimento.
A mudança na vida de Pedro começou no dia do Pentecostes, quando os discípulos estavam no cenáculo esperando o revestimento de poder do qual Jesus profetizara. At 1:8. Com esta capacitação de poder, a vida do então discípulo, agora apóstolo, começou a ter uma diferença. Seus defeitos foram dando lugar as suas qualidades, a velha natureza cedeu espaço ao novo Pedro. Um homem que antes inconstante agora se levanta, como um líder, cheio do Espírito de Deus e começa a pregar o Evangelho com convicção e ousadia perante as pessoas que estavam presentes na festa de Pentecostes. At 2:1ss. Indo ao templo regularmente para orar junto com João At 3:1. O então temeroso Pedro, quando repreendido pelos líderes religiosos a fim de que não ensinassem no nome de Jesus, ele se levanta afirmando que não podia se calar diante daquilo que tinham visto e ouvido falar At 4: 8, 13,20.
O sanguíneo controlado pelo Espírito Santo passa a agir com sabedoria diante das pressões. Antes era capaz de mentir em situações difíceis, mas agora age com paciência e prudência diante das circunstâncias. Um exemplo claro do que está sendo abordado está relatado em Atos dos Apóstolos cap. 5. Ananias e Safira mentem sobre a quantia a ser depositada aos pés dos apóstolos. Prontamente Deus usa este homem transformado de forma sábia e enérgica deixando um exemplo àqueles que queriam agir de forma desonesta.
Outra qualidade evidente é a alegria. As murmurações, as palavras profanas, cedem espaço à alegria, ao bom-humor. A reação de Pedro por ter apanhado severamente dos oficiais do Sinédrio foi inteiramente contrária da que esperaríamos de um sanguíneo. Observa-se em Atos 5:41 “Eles se retiraram do Sinédrio, regozijando-se por terem sido considerados dignos de sofrer afrontas por esse Nome”. Pedro saiu regozijando-se ao invés de reclamando.
Seguindo a análise do temperamento do apóstolo, em um dado momento foi dito que Pedro era uma pessoa que buscava posição, uma pessoa que tendia a soberba, mas após a ação regeneradora de Deus se tornou uma pessoa humilde. Em sua carta, Pedro deixa um conselho prático a todos os cristãos: “Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte; 1 Pe 5:6.
Após esse novo nascimento, vemos que o sanguíneo Pedro se torna uma pessoa constante, de oração e meditação na Palavra de Deus. At 10: 1-19. La Haye afirma que: “uma dificuldade constante encontrada pela maioria dos cristãos sanguíneos é a falta de perseverança nos seus hábitos de meditação. De natureza irrequieta, é muito fácil para eles se envolverem em toda sorte de atividades para o Senhor, sem dedicar tempo a Ele pessoalmente, na leitura de sua Palavra e na oração. Por si mesmos muitos cristãos sanguíneos são um tanto ocos e tendem à carnalidade em suas decisões, mas o tempo gasto diariamente no estudo bíblico e na oração parece exercer um forte impacto sobre eles”. (La Haye, 1978, p. 46). Pedro também se tornou uma pessoa amável At 11:4. Homem de fé, pois estava preso e dormia no cárcere At. 12: 6. Paciente. Pedro estava fora da cadeia, precisava entrar em casa para os soldados não o ver At 12: 12-18. Mas não pensem que o mesmo foi perfeito em todo tempo, mesmo depois de transformado, cometeu um deslize e Paulo registra esse acontecimento em sua carta aos Gálatas. Gl 2: 11-14.
Mas Pedro se tornou uma pessoa equilibrada e madura, totalmente transformada pelo Espírito Santo. Como foi citada acima a carta de Paulo aos Gálatas cap. 2: 11 vê-se que Paulo o repreende face a face. Em vez de ressentir da repreensão, demonstrou uma apreciação repleta de amor. Na sua segunda epístola, escrita já no fim de sua vida, encontramos este tributo caloroso ao apóstolo Paulo, vindo da pena de um Pedro sanguíneo. (ler 2Pe 3:15). Equipara as Cartas de Paulo às Escrituras do Antigo Testamento.
A análise da vida de Pedro demonstra a transformação do apóstolo sanguíneo, no que “Deus pode fazer de você e o tipo de pessoa que Ele quer que você seja. Mostra-nos também que para toda e qualquer tendência à fraqueza, mesmo aquelas cuja intensidade tenha sido aumentada pelo hábito, existe uma cura. Deus, o Espírito Santo, tem uma força para cada uma das fraquezas do sanguíneo. O Sr. Sanguíneo, como todos os outros cristãos, precisa continuamente dar ouvidos à admoestação: “Enchei-vos do Espírito” (Ef 5:18) (La Haye, 1978, p. 52.).

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Temperamentos Transformadoa

Este é um pequeno resumo e analise do livro Temperamentos Transformados onde são analisados os 4 temperamentos: sanguineos, colérico, melancólico, fleumático. Posteriormente estarei publicando sobre quatro personagens biblicos que refletem cada tipo de temperamento, mas que depois da ação do Espírito Santo foram Transformados. Por enquanto são apenas conceitos para entedermos esta teoria. A teoria dos quatro temperamentos pode-se afirmar que surgiu com Hipócrates (460 a 370 a.C) até então considerado como o pai da Medicina. Atribui-se a ele o fato de a medicina passar a se preocupar com os problemas psiquiátricos e reconheceu as diferenças de temperamentos das pessoas e apresentou uma teoria a respeito dessas diferenças. Hipócrates passou a analisar objetivamente os diversos tipos de temperamentos, refutando o sobrenaturalismo, ou seja, de que tudo acontecia por causa da intervenção dos deuses. Defendeu a ideia de uma orientação biológica. Devido a sua abordagem empírica à psicopatologia, pode alcançar a exatidão de suas observações sendo capaz de registrar cientificamente as conclusões a que chegava. Como resultado destas avaliações, Hipócrates distinguiu os quatro temperamentos: sanguíneo, melancólico, colérico, e o fleumático. Com o advento da Idade das Trevas, pouco se acrescentou a esta teoria dos quatro temperamentos até o século XIX. Emmanuel Kant, filósofo alemão, foi provavelmente quem teve mais influência na divulgação dessa teoria na Europa. No fim do século XIX, o estudo do comportamento humano recebeu novo impulso com o nascimento da ciência denominada Psicologia. Bernad Notcutt (1953, p. 7.) afirma que “os meios universitários veem na fundação do Laboratório de Psicologia experimental de Wundt na Universidade de Leipzig em 1879, o início efetivo desta disciplina”. O Dr. Wundt provavelmente foi influenciado por Kant, pois o mesmo também aceitava a teoria dos quatro temperamentos. Fez exaustivas experiências relacionando-as a esses temperamentos com estrutura do corpo. Surge então a Psicologia Biopatológica, ou seja, comportamento do indivíduo ao seu tipo físico. No início do século XX surge Sigmund Freud desconstruindo por completo esta teria dos quatro temperamentos. Sua pesquisa era feita através a implementação de um ponto de vista totalmente determinista defendendo que é o meio ambiente que determina o comportamento do indivíduo. Em meio a esses estudos e conceitos científicos, apenas dois escritores cristãos parecem ter escrito a respeito dos quatro temperamentos. Ambos eram europeus, mas suas obras foram amplamente divulgadas nos Estados Unidos. Alexander White (1836-1921) produziu um breve trabalho sobre essa teoria, que está incluso em seu livro denominado Tesouro de Alexander White. Há também outro livro chamado Personagens Bíblicos onde fica claro que era um estudioso dessa teoria. Há, no entanto, outro escritor que, segundo Tim La Haye é a obra mais significativa que ele tem conhecimento sobre o assunto em questão, Dr. Hallesby autor do livro Temperamento e a Fé Cristã. Esta obra tem o objetivo de ajudar os conselheiros a reconhecerem os quatro temperamentos-tipo e a fazerem com eles o devido relacionamento. Tim La Haye afirma em seu livro Temperamentos Transformados que “esta teoria dos quatro temperamentos parecem ser aceitos pelos cristãos porque são compatíveis com muitos conceitos das Escrituras. Da mesma forma que a Bíblia nos ensina que todos os homens têm uma natureza pecaminosa, os temperamentos nos ensinam que todos os homens têm suas fraquezas. A Bíblia diz que o homem possui uma “velha natureza” que é a carne, melhor dizendo, “carne-corruptível”. O temperamento é composto de tendências natas, partes das quais são fraquezas. A classificação dos quatro temperamentos não é ensinada categoricamente na Bíblia, mas os estudos biográficos de quatro personagens bíblicos demonstrarão os pontos fortes e as fraquezas de cada um dos temperamentos. A Bíblia nos ensina que só é possível alcançar o poder para vencer as fraquezas, quando se recebe a Jesus Cristo pessoalmente como Senhor e Salvador, entregando-se completamente ao Seu Espírito.”